SIS abortou operação de espião russo em Cascais

Por Cascais24





05.06.2016


O Serviço de Informações de Segurança (SIS) abortou as atividades de um espião russo que, durante meses, entre finais de 2012 e meados de 2013, manteve contatos com um funcionário da Conservatória do Registo Civil de Cascais para obter “informações sobre nascimentos e óbitos” de pessoas no concelho de Cascais.
O espião, funcionário destacado na Embaixada da República Federativa Russa, em Lisboa, acabou por abandonar o País, depois do embaixador ter sido chamado ao Palácio das Necessidades, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a exigir que o espião abandonasse o País.
Segundo, então, o SIS apurou, o espião russo estaria a obter informação privilegiada e, para além de lhe terem feito vários seguimentos, os oficiais de informações portugueses conseguiram, a partir da sede do Instituto de Registo de Notariados (IRN), controlar os processos aos quais o funcionário de Cascais acedia.
Os oficiais de informações do SIS concluíram que o espião russo “estava a tentar obter dados concretos sobre pessoas, nascimentos, óbitos, para forjarem identidades”.
A situação arrastou-se durante meses, até que a operação – conduzida à época pelo atual número dois do SIS, Gil Vicente – culminou com a interceção, em flagrante, do funcionário da conservatória de Cascais a transmitir informação ao agente russo.
O caso foi depois comunicado ao Primeiro -ministro e ao Ministério dos Negócios Estrangeiros que chamou o embaixador russo ao Palácio das Necessidades, ao qual foi exigido que o espião abandonasse o País, o que veio a acontecer.

Quanto ao funcionário da Conservatória do Registo Civil de Cascais foi alvo de um processo disciplinar, que terá sido arquivado. Em causa, a ausência de provas de que tivesse recebido alguma contrapartida para passar as informações.

Esta operação, em Cascais, que está confirmada, foi revelada ao superjuiz Carlos Alexandre nos interrogatórios a António Figueiredo, ex-presidente do Instituto de Registo de Notariados (IRN), arguido no escândalo dos Vistos Gold, segundo revelou recentemente a revista “Sábado”.

 


 

Comentários

Mais procuradas