OPINIÃO

Empresária arguida por jogo ilegal

Por Redação CASCAIS24

26.01.2017
A dona de um estabelecimento de restauração e bebidas, no Estoril, foi constituída arguida, com termo de Identidade e Residência (TIR), por alegada exploração ilícita de jogo de fortuna ou azar, informou a PSP.

Durante uma operação de fiscalização, agentes da Divisão Policial de Cascais detetaram e confiscaram diverso material no estabelecimento.

Entre o material confiscado contam-se uma máquina de jogo de fortuna ou azar e duas outras de modalidades afins.

Expositores e prémios, material informático, quatro telemóveis e algumas ferramentas relacionadas com o ilícito também fazem parte do equipamento apreendido.

Os agentes confiscaram, ainda, diversa documentação e 1.674 euros em numerário, presumivelmente proveniente da atividade ilegal desenvolvida. 

Na operação foi também constituído arguido um homem por estar na posse e no interior da sua viatura de chaves do moedeiro da máquina de jogo, o que, diz a PSP, "levanta suspeitas de ligação à exploração da atividade ilícita".

Comentários

NOTICIAS mais lidas

Tinha em casa soqueira e pistola de alarme

Novos autocarros com videovigilância

Pedófilo que abusaria de criança desde os 13 anos em prisão preventiva

GNR investiga assalto ao Complexo Desportivo de Alcabideche

CAXIAS vai receber 1º Campeonato Nacional de Pesca Desportiva para Surdos

PJ que terá desviado 200 mil euros de cofre milionário de mansão da Quinta da Marinha em silêncio

Foi a casa buscar caçadeira para "acalmar ânimos" mas acabou desarmado por dono de café em Tires

COVID19. Laboratórios Quilaban de ex-vereador João Cordeiro oferecem ventiladores ao hospital de Cascais para ajudar a salvar vidas

Rede transnacional de furto viciação e tráfico de carros com ramificações em Cascais